Girlene Ferreira é uma das mulheres que recebeu o Título de Cidadão Felipense.

Em uma noite especial de domingo (14) que marca parte das comemorações dos 51 anos de Emancipação Política de Felipe Guerra, a Câmara Municipal realizou uma Sessão Solene para entrega de 29 títulos de “Cidadão Felipense no Palácio “Vereador Joel Canela”, sede do Poder Legislativo do município.

E uma das homenagens que chamou atenção, foi o discurso e a entrega do título para a nutricionista, secretária de saúde e primeira-dama de Felipe Guerra, Girlene Ferreira, aonde toda cidade passou a conhecer no período eleitoral de 2012, e desde então vem se destacando pelo excelente serviço prestado na área da saúde no município. A indicação foi feita pelo Vereador Ubiracy Pascoal (PR).

VEJA O DISCURSO NA ÍNTEGRA:

Excelentíssimo Senhor prefeito Haroldo Ferreira, excelentíssimo Senhor, vereador Salomão Gomes, demais vereadores, secretários municipais, autoridades aqui presentes, senhoras, senhores.

O meu primeiro agradecimento vai para o vereador Ubiraci Pascoal, que teve a iniciativa de propor meu nome para receber o titulo de cidadã Felipense, agradeço a câmara de vereadores de Felipe Guerra por ter acatado o meu nome.

Nesta noite me sinto repleta de emoção, o meu corpo transpira felicidade, a minha alma reluz gratidão. Por ser considerada uma cidadã Filipenses, por fazer parte desta nação.

Hoje me veem a memória o dia que aqui cheguei, na bagagem tinha uma agenda, com o dia da chegada e com o dia da partida, que seria dia 07 de outubro de 2012, ao fechar as urnas. Tinha outros planos pessoais, dependente dos resultados, trabalho, filhos, Mossoró. 

A magia da cidade o encantamento, e principalmente o acolhimento dos Felipenses, os problemas que pensávamos ser medianos, me fazia mudar de ideia a cada dia. E optar por permanecer em Felipe Guerra, fixar morada, abraçar a causa, abraçar o projeto medido a régua pelo grupo construindo e inovando, um projeto de mudança, de transformação social, por uma Felipe Guerra mais digna, mais justa. 

E fui me identificando de tal maneira com os novos tempos pregados por este grupo, que internalizando o sonho de cuidar de uma terra natal que não era a minha, um sonho de libertação de um povo, de sair em defesa das classes menos favorecidas, já dizia Raul Seixas, “o sonho que se sonha só é apenas sonho, mas o sonho que se sonha junto vira realidade”, precisava me juntar a este exercito em defesa da democracia. 

E foi tocada no meu coração já eriçado por tempos antigos quando na minha formação universitária, fui diretora de centro acadêmico, e vi eclodir o vulcão que estava adormecido dentro de mim por alguns anos, e não me contive em não participar deste projeto, que também sempre foi o meu, mas, tendo a consciência, a coragem e a ousadia de saber que é um processo lento, gradual e de muita paciência. 

Pedir licença aos meus filhos, Haroldo Segundo e Maria Luísa, aos meus familiares, principalmente ao meu pai de 85 anos, o qual me ensinou o que é moralidade e ética, em respeito a memoria da minha mãe que Deus a tenha, que na sua forma simples de ser, todos os dias ensinava aos seus 10 filhos, a lição de afeto, de carinho para com o próximo, do cuidar, do humanizar, e nos banhávamos de lição de solidariedade. 

Com a família, que tive a formação acadêmica nos bancos de universidade, a herança cultural e educacional que trago da experiência da vida, tenho a certeza que fui escolhida para receber este título, não por ser a mulher de Haroldo Ferreira, a primeira dama, ou por promoção pessoal, mas sim, por ter me dedicado, atuando junto a este grupo, tanto eticamente, como moralmente. 

Ajudando a cidade no seu crescimento na promoção do bem comum. Hoje me sinto mãe, irmã, uma pessoa da terra querida, que me acolhe. E percebo isto ao adentrar em cada casa, ao qual me esperam com um brilho nos olhos, ao abraça-los sinto o pulsar no coração, a alegria, o prazer e o respeito para com esta pessoa, e às vezes naquele momento estou tão fragilizada, pois tive que escalar montanhas no dia, e escuto: “Girlene, estou precisando de você”, ai junto os meus pedaços e viro uma gigante, pronta para guerrear novamente.

E desta forma, meu amor aumenta a todo o momento e só posso dizer, plagiando Roberto Carlos, “como é grande o meu amor por você”, Felipe Guerra!

Nasci na Paraíba na cidade de Belém do Brejo do Cruz, no primeiro ano da minha infância, os meus pais fixaram residência em Mossoró, fiz faculdade em Fortaleza, Ceara, mas, como disse o poeta Mário Quintana, “O nosso lar é onde somos honrados”. E a Deus peço sabedoria para honrar este titulo, com coragem determinação, servido o povo Felipenses preservando acima de tudo a justiça.

Hoje já não sou forasteira, não vivo na clandestinidade, não sou só, a mulher de Haroldo Ferreira, do prefeito, e sim Josefa Girlene Ferreira da Silva a cidadã Felipenses.

VIVA O POVO DE FELIPE GUERRA
Girlene Ferreira, na noite de 14 de Setembro de 2014 na câmara.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.