Réus da Operação Negociata tem prisão preventiva revogados

Operação Negociata foi deflagrada em 27 de julho de 2015 e chegou a afastar o prefeito Carlindson Onofre 
O Juiz de direito, Breno Valério Fausto de Medeiros, da cidade de Umarizal, aceitou o pedido dos advogados de Josberto de Souza Oliveira, Bruno Ewerton Bezerra Leal, Abmael Thiago Bezerra de Melo e Marinaldo Amâncio da Silva Júnior, para revogar a prisão preventiva e substituir para medidas cautelares.

Segundo consta no processo, os réus encontram-se presos desde o dia 29/07/2015, cujas prisões foram decretadas para garantia da ordem pública e pela conveniência da instrução criminal, haja vista que os acusados são considerados peças chave em forte esquema de corrupção que culminou na Operação Negociata, e desarticulou associação de pessoas formada para fraudar e desviar dinheiro através de convênio celebrado entre a Prefeitura de Umarizal e o Banco Gerador S.A, objetivando a concessão de empréstimos consignados a servidores.

Na época, foram feitos mandados de prisão preventiva, cinco foram cumpridos, com as prisões do ex-prefeito de Umarizal José Rogério de Souza Fonseca e correspondente do Banco Gerador S.A, Marinaldo Amâncio da Silva Júnior. A operação que contou com a participação de 17 Promotores de Justiça,  70 policiais civis, entre eles 14 Delegados, no cumprimento dos mandados de afastamento da função pública (1), de busca e apreensão (15), prisão preventiva (6) e conduções coercitivas (3). Os mandados foram expedidos pelo Tribunal de Justiça e pelo Juízo da Comarca de Umarizal, e foram cumpridos nas cidades de Umarizal, Martins, Natal e Parnamirim.

A investigação foi feita pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte que monitorou por mais de 4 anos o esquema de empréstimos consignados que resultou num rombo superior a R$ 2.043.625,34 (valor atualizado em 2014) na Prefeitura de Umarizal, no Oeste do Rio Grande do Norte.  Estes recursos, segundo o Ministério Público relata ao Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, teriam sido usados na campanha de 2012 e contribuído de forma significativa na eleição do atual prefeito Carlindson Onofre de Melo, o Mano, do DEM, líder do grupo.

Nesta quinta-feita (07), o juiz de direito revogou as prisões preventivas dos réus Josberto de Souza Oliveira, Bruno Ewerton Bezerra Leal, Abmael Thiago Bezerra de Melo e Marinaldo Amâncio da Silva Júnior, substituindo-as pela medida cautelar inominada, consistente na comprovação pelos réus, no prazo de 60 dias, da ocupação lícita, além das medidas cautelares típicas, previstas no artigo 319, incisos I, III, IV e VI.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.