Pesquisar....

As perseguições políticas da era Costa em Felipe Guerra

Conforme anunciado na sexta-feira, 19 de agosto, hoje passo a fazer um resgate histórico acerca da política felipense, no tocante as administrações públicas passadas, abordando temas como: perseguição política; exclusão social, desmandos com o erário público; escândalos de corrupção; projeto familiar de poder; origem política; realizações administrativas; legado político; dentre outros.

Perseguição Política

A história política de Felipe Guerra é marcada por muitos episódios lamentáveis de perseguição política registrados em gestões públicas municipais passadas. Vale ressaltar que perseguição política caracteriza crime de improbidade administrativa e que atualmente a Justiça brasileira mostra celeridade na apuração dos casos.

Em um passado recente a impunidade no tocante a perseguição política reinava no interior brasileiro, como era o caso da cidade de Felipe Guerra, onde a sociedade recorda até hoje os mais diversos casos envolvendo especialmente o funcionalismo público.

Conhecendo bem a história de Felipe Guerra, no dia 05 de agosto, quando acompanhava a Convenção Municipal do PSD, que homologou a chapa Victor Costa e Paulo Guilherme em Felipe Guerra, fiquei indignado com a cara-de-pau de algumas figuras que integram o grupo político de oposição naquela cidade.

Em seus discursos em defesa da retomada do poder, ex-prefeitos e ex-vereadores tiveram o disparate de acusar o atual prefeito Haroldo Ferreira, que é candidato a reeleição, de ser um político “ditador” e “perseguidor”.

Aquelas figuras manjadas, principalmente os ex-prefeitos Hulgo Costa e Braz Costa, bem como o ex-vereador Gilvan de Souza – o mais exaltado, certamente estavam ali subestimando a capacidade intelectual alheia e achando que o povo felipense tem memória curta.

Gestões Hulgo Costa

Hulgo Costa, que vem a ser filho do saudoso ex-prefeito Francisco Chagas da Silva (‘Titico de Adelino’) e pai do atual candidato a prefeito Victor Costa (PSD), governou Felipe Guerra por três vezes e foi o maior perseguidor político de toda a história do município.

A fama de perseguidor de Hulgo Costa veio logo no início de sua vida pública, quando ele escorraçou o saudoso ex-prefeito Raimundo Pascoal e família da Prefeitura de Felipe Guerra e demais repartições públicas do município.

Lembrando que Raimundo Pascoal foi o criador de Hulgo Costa, tendo-o feito prefeito em cumprimento a um compromisso firmado com o saudoso ex-prefeito ‘Titico de Adelino’, pai de Hulgo, que na época já não era mais vivo.

Chegando a Prefeitura de Felipe Guerra, movido por ambição Hulgo Costa traiu Raimundo Pascoal, quebrando todos os compromissos firmados com ele e implementando o projeto de poder da família Costa. Um projeto tão ambicioso e restritivo que não deixou espaço se quer para abrigar o saudoso Raimundo e sua família.

Hulgo Costa desvinculou todos os membros da família Pascoal que não eram efetivos no quadro de servidores da municipalidade, e aqueles que eram efetivos ele preferiu que ficassem em casa, ganhando sem trabalhar, para que estes não pusessem os pés na Prefeitura.

Na época em que Hulgo Costa era prefeito de Felipe Guerra, os servidores públicos efetivos do município só ganhavam meio salário mínimo. Sem contar que muitos trabalhavam sem nenhum vínculo empregatício, e tinham que ler uma cartilha ditatorial se quisessem receber seus vencimentos. Caso contrário, recebiam sempre em atraso e acompanhado de muitas palavras humilhantes. Muitos servidores foram dispensados sem qualquer benefício, tendo negados seus direitos trabalhistas, depois de terem prestado anos de serviços a municipalidade.

Um concurso público realizado em uma das gestões do então prefeito Hulgo Costa resultou em várias ações judiciais, que até hoje algumas ainda tramitam na Justiça, movidas por servidores aprovados em colocações privilegiadas, mas que nunca exerceram a função, pois o então prefeito simplesmente ignorou a ordem de aprovação do concurso e convocou os aprovados como ele bem quis.

Gestões Braz Costa

As duas gestões do ex-prefeito Braz Costa Neto, primo/cunhado de Hulgo Costa, escolhido por Hulgo para dar continuidade ao projeto de poder da família Costa em Felipe Guerra, não se diferenciou das gestões Hulgo Costa. O modus operandi foi praticamente o mesmo, paralelo a uma capacidade jamais vista de praticar desmandos administrativos.

Braz protagonizou muitos episódios de perseguição a servidores públicos, principalmente das áreas da educação e saúde. Aquele que contrariasse qualquer interesse do grupo governista, era transferido para locais de trabalho distantes, como forma de punição.

A única diferença notada entre Hulgo e Braz no tocante a forma de perseguir, era que Hulgo tinha prazer em dar NÃO e humilhar das mais diversas formas o adversário. Já Braz carregava o SIM na ponta da língua. Raramente dava um NÃO. Seu prazer era cansar o adversário sempre renovando a promessa e mandando voltar outro dia.

Enfim perseguição política nas gestões dos ex-prefeitos Hulgo Costa e Braz Costa aconteciam das mais diversas formas, com as mais diversas classes, alcançando e prejudicando servidores, comerciantes, famílias humildes, vereadores, profissionais de imprensa e etc.

'Pinga Fogo' por Erinaldo Silva
Rede News 360
Publicidade
BERIKAN KOMENTAR ()