Pesquisar....

Lei da Terceirização: Setor produtivo do RN espera por mais contratações

A aprovação da lei que permite a terceirização na atividade-fim foi recebida no setor produtivo potiguar como um avanço nas relações trabalhistas.

Pelas novas regras, aprovadas nessa quarta-feira pela Câmara dos Deputados, qualquer ramo da atividade das empresas privadas e parte do setor público poderá contratar empregados terceirizados, sem a necessidade de assinar carteira de trabalho, para o caso de contratações individuais.

Para o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (Fiern), Amaro Sales, o Brasil deu um passo importante.

“Não há vencedor nem vencidos. Havia muita insegurança jurídica. Uma empresa não contratava por medo de não ter o reconhecimento da legalidade desse contrato, que no final acabava gerando um passivo trabalhista”, destacou.  Na opinião dele, a flexibilização gerada pela nova lei vai permitir a ampliação de contratações.

Presidente da Fecomércio, Marcelo Queiroz opina que as relações entre patrão e empregado não serão pautadas pelo medo.

“Não enxergamos no projeto prejuízos ao trabalhador, que seguirá sendo amparado pela mesma legislação trabalhista que o protege hoje. O que se busca, na realidade, a partir da aprovação do projeto, é a efetiva regulamentação da terceirização, que já é uma realidade, mas carecia de uma lei para discipliná-la”.

Queiroz também argumenta “Ao contrário do que algumas vezes se faz tentar parecer, não é interesse de nenhum empresário desrespeitar direitos ou mesmo ter em seus quadros trabalhadores desmotivados por um eventual sentimento de desamparo”.

Para o vice-presidente da Federação das Empresas Prestadoras de Limpeza Ambiental (Febrac), Edmilson Pereira, a expectativa é que, nos próximos anos, o setor duplique as contratações no País e no Estado.

“Há 15 milhões de trabalhadores ligados à nossa federação em todo o Brasil. No Rio Grande do Norte, somos 25 mil. A expectativa é que nos próximos cinco anos esses números dupliquem”, comentou Edmilson.

Ele ainda ataca quem defende que a lei vai trazer prejuízos ao trabalhador. “Eu queria que alguém apontasse um artigo na lei que tira direitos trabalhistas. Todos os direitos são preservados”, destacou.

Portal Noar
Publicidade
BERIKAN KOMENTAR ()