Henrique Alves comprou apoio político por R$ 11 milhões em 2014

Jornal GGN - O ex-deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) comprou apoio de lideranças políticas em 2014 pela quantia de R$ 7 milhões em dinheiro vivo para o governo estadual do Rio Grande do Norte, no primeiro turno. A afirmação foi do delator e empresário Fred Queiroz, preso na Operação Manus.

"A campanha de Henrique Alves em 2014 contava com duas expectativas, a primeira era a de que ele sairia vitorioso, a segunda era a de que haveria disponibilidade de muito dinheiro", afimou o delator.

No segundo turno, Fred relatou que destinou mais R$ 4 milhões para angariar fundos a Alves, que teria, à época, repassado a vereadores, prefeitos e deputados estaduais que o apoiaram na sua candidatura ao governo estadual naquele ano.

Além da descrição das quantias, o delator entregou aos investigadores uma planilha com detalhes da aquisição de recursos, por meio da empresa de Fred Queiroz, e os respectivos repasses e distribuições aos políticos.

A Operação Manus, que prendeu o ex-ministro no dia 6 de junho deste ano, apura fraudes que atingiram R$ 77 milhões envolvendo a construção da Arena das Dunas, no Rio Grande do Norte. O empresário relatou que JBS e a Odebrecht realizaram os repasses a ele, sem declarar à Justiça Eleitoral.

De acordo com o documento, os investigadores analisaram que no dia 28 de setembro de 2014, "chegaram de R$ 5 a R$ 7 milhões de reais provenientes da pessoa de ‘Joesley’; e que esses valores não foram declarados em prestação de contas eleitorais".

José Geraldo, assessor particular do ex-presidente da Câmara, teria recolhido uma mala com os R$ 7 milhões, em um hotel na Via Costeira, na praia de Ponta Negra, zona sul de Natal. "José Geraldo disse que foi com o motorista de Henrique Alves de nome Paulo, pegar os valores com um casal no Hotel Ocean Palace; que esse casal, segundo José Geraldo, veio de Mato Grosso em um avião particular; que o nome do casal foi passado por Arturo Arruda por meio de mensagem de aplicativo; que José Geraldo levou o dinheiro em uma mala para a casa da sogra dele", disse Fred aos investigadores.

No dia seguinte ao repasse, o coordenador geral da campanha de Alves, Benes Leocádio, se encontrou com Geraldo e indicou quem seria beneficiado para a compra de apoio: um só prefeito ganhou R$ 27,5 mil naquele mesmo dia.

Já no segundo turno, contou Fred Queiroz, dos R$ 9 milhões repassados, R$ 4 foram também para a compra de apoio político e os R$ 5 milhões restantes foram destinados a despesas, como gasolina, pessoal, equipamentos, alimentação, estruturas de campanha, etc.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.