Alpargatas fecha fábrica e encerra produção no RN

A maior fábrica do grupo no Rio Grande do Norte funcionava em Natal e foi fechada em 2012  
Uma das maiores indústrias já instaladas no Rio Grande do Norte, a Alpargatas S.A., desativou a produção da unidade de Nova Cruz, no Agreste, e encerrou as atividades no estado quase duas décadas após abrir quatro polos fabris em Natal e interior. Sem nenhum anúncio prévio, executivos da companhia anunciaram, no final da tarde do dia 31 de agosto, quinta-feira passada, a demissão em massa de 375 funcionários que trabalhavam na fabricação de calçados no único empreendimento do grupo ainda em funcionamento no Rio Grande do Norte. Em menos de uma década, a empresa fechou quatro polos de produção em todo o estado e colocou nas ruas cerca de três mil trabalhadores. 

A desativação da fábrica foi confirmada pela empresa, que atribuiu, por meio de nota, o fato ao atual cenário econômico e ao esgotamento das possibilidades de modificação da produção analisada. “A Alpargatas esclarece que um dos seus maiores desafios é a otimização dos seus processos produtivos, por representar um grande diferencial competitivo no setor. Em razão da conjuntura econômica do mercado e esgotadas as alternativas operacionais amplamente analisadas, a empresa tomou a decisão de encerrar as atividades no posto de costura de Nova Cruz”, declarou em nota. 

A companhia também explicou, na mesma nota que a unidade em Nova Cruz não tinha incentivo fiscal. “A Alpargatas informa que está tomando todas as medidas cabíveis para apoiar os profissionais e segue presente no Estado com o Meggashop (loja instalada no Shopping Via Direta), em Natal”. O secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Flávio Azevedo, confirmou que o Estado não foi procurado pela empresa e lamentou a decisão. “Eu fui surpreendido com essa notícia e estou tentando apurar o que aconteceu. É lamentável. É lastimável e muito grave”, declarou.

Sem desconfiarem de qualquer alteração, os trabalhadores desempenharam suas funções normais ao longo da quinta-feira passada e, ao final do expediente, a desagradável surpresa. “Ficamos apavorados com a notícia do fechamento da Alpargatas”a, disse o chefe da gabinete da Prefeitura de Nova Cruz, Ricardo Melo. 

“Todos foram pegos de surpresa. Nenhum representante da empresa procurou a Prefeitura para conversar sobre este fechamento. Isso vai impactar diretamente na economia da cidade, pois cerca de 90% dos funcionários da Alpargatas são de Nova Cruz”, Ricardo Melo. Ele ainda externou que o prefeito da cidade,  Tragino da Costa Neto, pediu uma audiência com os representantes da unidade fabril para saber os motivos do fechamento, mas ainda não tinha obtido uma resposta até o fechamento desta reportagem. 

Sindicatos

O presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias do Rio Grande do Norte (FTI-RN) e representante do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria dos Calçados, Marcones Marinho da Silva, disse que foi procurado na quinta-feira passada, (31 de agosto) por representantes da Alpargatas, que informaram sobre o fechamento da fábrica em Nova Cruz. 

Segundo Marcones Marinho da Silva, dois motivos foram apresentados pelos representantes da Alpargatas para o fechamento da fábrica. O principal deles, conforme explicou Marcones, foi a Alpargatas ter vendido o licenciamento das marcas “Rainha” e “Topper” para o grupo empresarial J&F S.A; “porque não estavam dando retorno esperado, e a unidade de Nova Cruz tinha um papel importante na produção destas marcas”. O segundo motivo foi a falta de incentivos fiscais em nível Estadual e Municipal. 

A perda de empregos a nível local, de acordo com Marcones Marinho da Silva, é o principal prejuízo do fechamento da fábrica. “O impacto disso na economia local é imenso e também para os trabalhadores dentro do estado”, avaliou o representante sindical. Ele destacou, ainda, que em “outros estados do Nordeste, como Paraíba e Ceará, têm atraído cada vez mais empresas. Inclusive, coincidentemente, a própria Alpargatas, teve expansão de suas atividades na Paraíba, nos últimos anos”. 

Alpargatas

A Alpargatas está sediada em São Paulo e possui 13 unidades de produção no Brasil, sendo cinco fábricas e oito satélites. O Rio Grande do Norte não é mencionado em nenhum dos endereços das fábricias, tampouco das unidades satélites. As operações internacionais próprias estão sediadas em: Buenos Aires, Nova York, Madri, Paris, Londres e Bolonha. Na Argentina, a produção é realizada em oito fábricas distribuídas no país. As informações constam no portal da companhia na internet. A última notícia publicada na página foi em dezembro do ano passado. 

Em 2015, o Grupo Camargo Corrêa S.A. vendeu para a J&F Investimentos S.A., a sua participação acionária de 44,12% do capital social da Alpargatas pelo valor de R$ 2,67 bilhões. O fechamento da Operação estava sujeito à aprovação pelo CADE – Conselho Administrativo de Defesa Econômica – e ao lançamento pela J&F de uma OPA – Oferta Pública de Aquisição – para aquisição das ações ordinárias pertencentes aos minoritários interessados na venda.

Fonte: Tribuna do Norte

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.