Felipe Guerra: O remédio é amargo… mas necessário!

Com a crise que vivemos hoje, é preciso ajustar os gastos para que a cidade não feche o ano no vermelho. Basta analisar a queda acentuada nas receitas, e a dificuldade para pagar funcionários e, entre outras coisas, cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal. Devido à generalizada queda dos royalties, nas receitas tributárias e repasses da União, a Prefeitura de Felipe Guerra se viu obrigada a fazer ajustes no quadro administrativo de um modo geral.

Se continuar dessa forma, o prefeito Haroldo Ferreira poderia ir muito além, poderia baixar um decreto temporariamente como medida de contenção de gastos públicos cortando uma determinada porcentagem do seu próprio salário, do vice, e dos secretários municipais e se estendendo a outras cargos, além de outras medidas profundas relacionados aos pagamentos de diárias aos servidores e agentes políticos, aluguéis de veículos e prédios, e evitar realizar festas de grande porte financeiro. Sim, o remédio é amargo… mas necessário! 

Muitos felipenses já pagaram ou estão pagando o "preço" por essa crise financeira, mas a expressão "cortar na própria carne" tem sido o dilema vivido por vários prefeitos no Brasil para tomar medidas amargas diante de situação de crise. O exemplo simbólico ao tomar as medidas necessárias deve começar primeiro pelo líder. Isso com certeza seria uma das formas de ajudar a manter os serviços essenciais, como saúde, educação, assistência social e outras áreas prioritárias.

Sejamos sensatos! Mas essa é só minha opinião!

Por Thiago Gama
Felipe Guerra: O remédio é amargo… mas necessário! Felipe Guerra: O remédio é amargo… mas necessário! Reviewed by Blog Foco Notícia on terça-feira, dezembro 04, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário