Pesquisar....

Coluna de Geraldo Fernandes: “Um por todos, e todos por um!”.

[caption id="attachment_11515" align="alignright" width="206"]11289553_723272911117438_1870144294_n Imagem Ilustrativa[/caption]

Esta semana, o ex-prefeito Hugo Costa deu entrevista a um blog da nossa cidade, e segundo ele, o prefeito Haroldo Ferreira não fez nenhuma obra no nosso município, disse ainda que a gestão de Haroldo Ferreira era ultrapassada e perseguidora.


Pois bem, eu particularmente acho que o ex-prefeito foi muito infeliz na suas declarações, pois quem conhece a historia deste município, sabe muito bem que Haroldo é um prefeito democrático, e alguém me prove que na gestão dele já houve um ato de perseguição. Dizer que a administração Construindo e Inovando é uma administração ultrapassada e sem obras é no minimo querer fazer o povo de besta.


O ex-prefeito precisa visitar o Distrito de Santana, e verás uma Unidade Básica de Saúde Modelo aonde a mesma tem um custo de quase meio milhão de reais, o ex-prefeito deve passar na rua Vereador Evilásio Barra, não só nela, mais em muitas ruas de nossa cidade, quem chega em Felipe Guerra hoje, observa que a nossa cidade se transformou em um canteiro de obras.


Eu até entendo o gesto do ex-prefeito, pois ele é oposição e a única coisa que ele tem que fazer é criticar a atual administração. Não entendo como é que a bancada governista conta com 7 vereadores, e ninguém sai em defesa da administração Construindo e Inovando, sendo esta a melhor administração da historia de Felipe Guerra.


Eu observando o ex-prefeito fazendo esse tipo de crítica, e nossos vereadores não fazendo uma defesa, lembro-me de uma historia que diz assim:


Certa vez  um rato, olhando pelo buraco na parede, vê o fazendeiro e sua esposa abrindo um pacote. Pensou logo no tipo de comida que haveria ali.

Ao descobrir que era uma ratoeira ficou aterrorizado.

Correu para a esplanada da fazenda advertindo a todos:

- Há uma ratoeira na casa, uma ratoeira na casa !!

A galinha disse:

- Desculpe-me Sr. Rato, eu entendo que isso seja um grande problema para o senhor, mas não me prejudica em nada, não me incomoda.

O rato foi até o porco e disse:

- Há uma ratoeira na casa, uma ratoeira !

- Desculpe-me Sr. Rato, disse o porco, mas não há nada que eu possa fazer, a não ser orar. Fique tranqüilo que o Sr. Será lembrado nas minhas orações.

O rato dirigiu-se à vaca. E ela lhe disse:

- O que ? Uma ratoeira ? Por acaso estou em perigo? Acho que não !

Então o rato voltou para casa abatido, para encarar a ratoeira. Naquela noite ouviu-se um barulho, como o da ratoeira pegando sua vítima.

A mulher do fazendeiro correu para ver o que havia pego.

No escuro, ela não viu que a ratoeira havia pego a cauda de uma cobra venenosa. E a cobra picou a mulher… O fazendeiro chamou imediatamente o médico, que avaliou a situação da esposa e disse: sua mulher está com muita febre e corre perigo.

Todo mundo sabe que para alimentar alguém com febre, nada melhor que uma canja de galinha. O fazendeiro pegou seu cutelo e foi providenciar o ingrediente principal.


Como a doença da mulher continuava, os amigos e vizinhos vieram visitá-la.

Para alimentá-los, o fazendeiro matou o porco.

A mulher não melhorou e acabou morrendo.

Muita gente veio para o funeral. O fazendeiro então sacrificou a vaca, para alimentar todo aquele povo.

Moral:


“Na próxima vez que você ouvir dizer que alguém está diante de um problema e acreditar que o problema não lhe diz respeito, lembre-se que quando há uma ratoeira na casa, toda fazenda corre risco. O problema de um é problema de todos.”


Geraldo Fernandes – É apresentador dominical do programa “Espaço Livre” da FM liberdade, Santanense, Historiador, pesquisador e Membro da Academia de Letras de Apodi.

Publicidade
BERIKAN KOMENTAR ()